//
você está lendo...
Sem categoria

Grupo Cabano de Criminologia: apresentação inagural

1412711702014“El papel del intelectual no es el de situarse «un poco en avance o un poco al margen» para decir la muda verdad de todos; es ante todo luchar contra las formas de poder allí donde éste es a la vez el objeto y el instrumento: en el orden del «saber», de la «verdad», de la «conciencia» del «discurso»” (Michel Foucault).

Movidos pela memória coletiva da Cabanagem e pela realidade de lutas em torno da questão criminal no contemporâneo, especificamente situados na Amazônia, buscamos com este grupo – o Grupo Cabano de Criminologia (ou simplesmente GCrim– fazer uma espécie de “adesão tardia” (como foi a adesão do Pará à independência do Brasil) ao movimento da crítica criminológica que se espalhou pelo mundo e que chegou ao Brasil a partir da segunda metade do século passado.

Diferentemente da “adesão” colonialista a que fomos historicamente submetidos, queremos não simplesmente assentir à anti-teoria que refuta os positivismos deterministas e à reprodução de discursos criminológicos forjados em contextos distantes e diversificados do “nosso” – como fizeram muitos criminólogos latino-americanos em relação à Europa e ao Estados Unidos, acabando por incorrer em verdadeiras traduttore traditore (Máximo Sozzo) no marco das traduções/importações culturais –, mas sim dar continuidade ao “destructuring impulse” (Stanley Cohen) (ou à “ruptura criminológica”, em Rosa del Olmo) que operou verdadeira revolução copernicana em criminologia (“criminological turn”), criando novas aberturas e possibilidades transdisciplinares e (auto)críticas, impulsionando, portanto, “criminological imaginations” (Jock Young) no campo da teoria problematizadora em nossa margem.

A despeito do endereçamento “criminologia cabana”, não se tem por meta realizar a reconstrução histórica da Cabanagem e, com isso, delimitar uma leitura criminológica deste movimento brasileiro. Duas são as intenções com o resgate da expressão: 1º.) dar ênfase às raízes que são próprias de um contexto que teve por excelência o espírito de subversão, protesto contestação da ordem, algo inegociável para o saber criminológico instrumentalizado numa práxis social; e 2º.) destacar que esta experiência histórica, própria do Pará (e da Amazônia), aqui ocorreu, com destaque potencializado frente aos demais movimentos de todo o Brasil, sendo esta remição alusiva à também gana de se mostrar que no século XXI o norte brasileiro também fomenta reflexões críticas sobre a questão criminal.

Queremos, portanto, propor indagações, imaginações e expressões sobre a questão criminal como descendentes de cabanos, numa região característica por excelência ao que consideramos ainda na atual conjuntura a “margem da margem”, quando se observa seu status quo geopolítico/econômico e de produção científico-acadêmica em relação ao centro-sul brasileiro.

Inspirada na comunidade de atores que veiculou e ainda veicula as forma de saber criminológico (v.g. National Deviance Conference, Grupo Europeu para Estudos do Delito e do Controle Social, ALPEC, Grupo Latino-Americano de Criminologia Crítica, Grupo de Bologna, ICOPA, IBCCrim, ICC, iTEC, ICPC, ICA, Nu-Sol, Grupo “Brasilidade Criminológica”, Grupo Asa Branca, Grupo Candango de Criminologia etc.), a  estrutura anti-hierárquica, anti-hegemônica e anti-verticalizante deste coletivo independente objetiva propagar discursos sediciosos desde a “margem da margem”, o que não implica produzir divisões (na forma de uma reação violenta contra nossas vozes, como aconteceu com o massacre aos cabanos sob a alegação de que buscavam autonomia em relação ao resto do país), nem tão-pouco monopolizar o discurso.

A ideia é tornar insustentável e não estruturante um “monastério dos sábios” (Warat) responsável por encarcerar a riqueza da heterogeneidade e pluralidade de discursos que caminham em torno deste “espaço polivalente” (Enrique Marí) (não à toa não adotamos uma política criminal alternativa específica) e, assim como na convocatória de Vera Andrade, participar da construção do projeto de uma grande rede dialogal latino-americana e brasileira, na qual inexistam “complexos de inferioridade” e se constituam ferramentas para um criticismo que busca sua “latinidade/brasilidade criminológica”.

Por tudo, em atenção às possíveis ferramentas de atuação (v.g. ciclos contínuos de pesquisa, produção científica de artigos e de um journal, traduções, disponibilização de acervo bibliográfico, organização de eventos e minicursos, entrevistas, vídeos etc.), os investigadores (“jovens criminólogos críticos”) membros deste grupo se propõem, na medida de suas possibilidades, a buscar a democratização do estudo e da pesquisa das criminologias (críticas) em Belém, no Estado do Pará, contando com a participação de todos aqueles que estiverem interessados em de alguma forma colaborar, buscando interseções para muito além da circunscrição regional em terras latino-americanas e além-mar.

Sejam todos muito bem vindos!

Att. Grupo Cabano de Criminologia (GCrim)

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Anúncios